+A -A

Antigas caixas coletoras da Ouvidoria da Duratex são transformadas em objetos para comunidade

Projeto capacitou morador em situação de rua para ressignificar as caixas de madeira que foram usadas durante mais de seis anos para coletar manifestações a respeito de situações que estivessem em desacordo com o Código de Conduta da empresa

Atuar com transparência e ética é uma das premissas de governança corporativa da Duratex, que, desde 2012, mantém o canal de Ouvidoria para recebimento, análise e tratativa de situações que estejam em desacordo com o Código de Conduta da empresa.

Neste ano de 2018, a área adotou novo modelo de operação, a fim de modernizar seu processo de atuação, torná-lo ainda mais acessível e acompanhar as melhores práticas de governança do mercado.

Entre outras mudanças, o modelo de operação da Ouvidoria foi sistematizado e as caixas coletoras de madeira que, por mais de seis anos, foram usadas para coletar suas manifestações foram desativadas.

“Essas caixas foram superimportantes para a Ouvidoria. Mas, com o passar do tempo, precisamos repensar nosso processo de atuação e optamos por desativá-las”, explica Alline Tavares, executiva responsável pela área de Ouvidoria da Duratex. “No entanto, não queríamos apenas descartá-las. Tivemos uma preocupação muito grande para que fossem ressignificadas, em alinhamento com o propósito e valores da nossa companhia”, conta.

Antigas caixas coletoras da Ouvidoria da Duratex são transformadas em objetos para comunidade

As 36 caixas coletoras foram encaminhadas para a startup de marcenaria Estúdio Luis Guimarães, que a pedido da Duratex capacitou Silvano de Jesus Sousa, morador em situação de rua que vive no entorno da empresa, no bairro da Água Branca, para transformá-las em porta-retratos e porta-trecos, que estão sendo distribuídos à comunidade.

“Em alinhamento com as diretrizes da nossa Estratégia de Investimento Social Privado, buscamos fomentar o empreendedorismo social nas regiões onde atuamos. Por isso, fizemos questão de oferecer ao Silvano a oportunidade de fazer esse trabalho de marcenaria para a gente”, diz Débora Spitzcovksy, da área de Sustentabilidade, que é responsável pelo programa de voluntariado D+ Valor da Duratex. Ela explica: “Silvano é um dos 10 alunos em situação de rua que participam da primeira turma do nosso curso de marcenaria com o Instituto Leo Madeiras. Ao oferecer para ele capacitação e oportunidade de emprego, queremos ajudá-lo a se empoderar e sair da situação de rua em que se encontra.”

Os porta-retratos e porta-trecos produzidos com as antigas caixas coletoras da Ouvidoria estão sendo distribuídos à comunidade pelos voluntários da Duratex, durante as ações do programa D+ Valor, que são promovidas em prol de moradores em situação de rua, crianças e idosos que vivem em situação de vulnerabilidade no entorno das unidades industriais e florestais da empresa.

Assista, abaixo, vídeo sobre o projeto.



Voltar