+A -A

    Aprimoramos continuamente nossas operações ambicionando o equilíbrio socioambiental em toda a cadeia de valor
 

As florestas plantadas de eucalipto que cultivamos têm papel fundamental em nosso negócio, uma vez que fornecem toda a matéria-prima usada na produção dos painéis e pisos que oferecemos ao mercado. Assim como as áreas nativas, elas precisam de um ecossistema equilibrado para poderem se desenvolver durante seu ciclo de crescimento, que dura aproximadamente seis anos.

Por isso, fazemos questão de adotar práticas de manejo sustentável que assegurem a manutenção das áreas de conservação e a utilização racional dos recursos naturais, como água e solo, garantindo a produção em longo prazo da matéria-prima que abastece nossas fábricas.

CERTIFICAÇÃO FSC®

Temos orgulho de ser a primeira empresa da América do Sul a obter a certificação FSC® (Forest Stewardship Council®) para Manejo Florestal. Desde 1995, possuímos o selo, que atesta que nossas atividades relacionadas à prática são ambientalmente adequadas, socialmente benéficas e economicamente viáveis.

A qualificação é resultado da nossa preocupação em adotar, desde o início de nossas atividades no Brasil, boas práticas de manejo florestal. Nossa atuação se baseia em quatro conceitos ambientais básicos. Para conhecê-los, acesse o folder Cultivos de Valor.

Também mantemos procedimentos para avaliar e mitigar os impactos sociais relacionados ao manejo de nossas florestas plantadas, a fim de ter um relacionamento cada vez melhor com as comunidades em que atuamos.

Confira, abaixo, os resumos dos nossos planos de Manejo Florestal para as regiões em que estão situadas nossas unidades florestais.

 
 

CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

Possuímos 275 mil hectares de florestas sob nossa responsabilidade, sendo que 23% desse total são destinados à conservação ambiental e preservação permanente. Nossas fazendas são habitadas por mais de 800 espécies nativas de animais, sendo que 25 delas são consideradas em risco de extinção pela Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza. A presença desses bichos em nosso território de atuação reforça o quanto o nosso manejo florestal contribui para a conservação e proteção da fauna e flora local.

 

Ainda firmamos parcerias com universidades e institutos de pesquisa, a fim de estimular o estudo científico sobre o tema no Brasil, e atuamos no desenvolvimento e pesquisa do material genético do eucalipto que cultivamos, com o objetivo de manter árvores cada vez mais resistentes a pragas e doenças e adaptáveis às diferentes condições climáticas e pluviométricas do Brasil.

Como parte de nossos esforços para conservar o meio ambiente, também avaliamos as áreas que estão sob nossa responsabilidade e terão seu manejo florestal certificado para saber se possuem ou não elementos de Alto Valor de Conservação. Quando identificados, atuamos para manter e ampliar esses atributos, uma vez que caracterizam áreas de grande importância para a biodiversidade e para as comunidades do entorno.

Confira, abaixo, nossos relatórios de avaliação de Áreas de Alto Valor de Conservação, bem como formulário de consulta pública a respeito da metodologia aplicada.

 
 

MONITORAMENTO DE FLORESTAS PLANTADAS

Sabemos da importância de monitorar, no longo prazo, os fluxos de carbono, água e nutrientes de nossas florestas, a fim de garantir seu desenvolvimento saudável e o equilíbrio ambiental das regiões onde estamos presentes. Por isso, desde 2008, apoiamos o programa cooperativo Torre de Fluxo com uma unidade de pesquisa instalada em uma área de 200 hectares das nossas fazendas.

Liderada pelo Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais, Centro Francês de Pesquisa Agrícola e Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, a iniciativa visa captar periodicamente dados a respeito das florestas plantadas, a fim de estudar as melhores práticas para otimização de produção e sustentabilidade dos plantios.

NOSSA VISÃO DE FUTURO

A mecanização nos processos florestais vem se intensificando no Brasil, proporcionando ganhos de produtividade, maior eficiência e redução nos custos. A tecnologia é uma aliada do setor florestal e pode contribuir para o aumento da produção com menor utilização de defensivos e de água para irrigação. Ao mesmo tempo, o crescimento das áreas de plantio deve ser acompanhado pelo fortalecimento das ações de conservação da biodiversidade e das áreas de mata nativa.

Acreditamos que a adoção de boas práticas de manejo devem permear tanto os grandes quanto os pequenos produtores, solidificando o desenvolvimento sustentável de um dos setores mais relevantes para a economia nacional.

Para saber mais sobre nosso desempenho com relação ao tema Manejo Responsável das Florestas, acesse o Relatório Anual 2017.

NOSSAS METAS

Nossos compromissos para o tema Manejo Sustentável das Florestas até o ano de 2025 são:

Meta Status Em 2018
Reduzir o uso de defensivos por hectare de efetivo plantio em 5%, mantendo os níveis de produção desejáveis Projetos em andamento
Reduzir o consumo de água na irrigação por hectare de plantio em 50% Superamos a meta prevista para 2018
Influenciar para a conectividade regional 100% dos proprietários das áreas de conservação vizinhas maiores que 500 ha e em um raio de 2 km Projetos em andamento
Ter 100% das comunidades envolvidas no planejamento da colheita Superamos as metas previstas para 2018
Dobrar as bases genéticas Meta prevista para 2018 ficou próxima à esperada
Assegurar que 100% das áreas próprias estejam com o manejo certificado Superamos a meta prevista para 2018. Resultado final foi 96,16%
Aumentar a massa seca por hectare em 10% (até 2035) Superamos a meta prevista para 2018
Ter 80% das áreas fomentadas certificadas (até 2035) Projetos em andamento

*Aprovadas em 2018, as metas referentes à Ceusa passarão a ser mensuradas em 2019 e terão seus status reportados a partir de 2020

  • Reduzir o uso de defensivos por hectare de efetivo plantio em 5%, mantendo os níveis de produção desejáveis.
  • Produzir 50% do material vegetal por meio de cultivo clonal.
  • Ter a primeira geração clonal composta por no mínimo oito materiais genéticos de eucalipto.
  • Ter 100% das áreas próprias de plantio com manejo certificado.
  • Ter 80% da colheita própria realizada por sistema de extração de última geração.

*Aprovadas em 2018, as metas referentes à Duratex Colômbia passarão a ser mensuradas em 2019 e terão seus status reportados a partir de 2020